terça-feira, 16 de junho de 2009

Deusa Sarasvati


A cultura indiana é uma das mais ricas e antigas do mundo. A mitologia hindu que surgiu da sabedoria e da religiosidade dos hindus, foi repassada de geração para geração.
A Deusa Sarasvati é a protectora dos artesãos, pintores, músicos, actores, escritores e artistas em geral. Ela protege, também, aqueles que buscam o conhecimento, sendo apreciada por estudantes, professores, e por todos os que se relacionam com a eloquência, é por isso que há um dia que lhe é consagrado, é o dia de Savitu-Vrta, comemorado, normalmente, a 16 de Maio. (dedico-lhe hoje, um mês depois...)

Num reino distante, um jovem entrou numa floresta em busca de um mestre espiritual. Mal o encontrou, pediu-lhe sem rodeios:
- "Quero possuir uma riqueza ilimitada para poder ajudar o mundo. Por favor, conte-me, qual é o segredo para poder gerar a abundância"?

O mestre espiritual, que não era outro senão Vishnu (o Deus que controla a manutenção do Universo) respondeu prontamente:
- "Existem duas deusas que moram no coração dos seres humanos. Todos somos, profundamente, apaixonados por essas entidades supremas. Mas elas estão envoltas num segredo que precisa de ser revelado, e eu posso contar-te qual é, uma vez que queres partilhar essas riquezas com o mundo". - fez uma pausa e depois prosseguiu:
- "Embora ames as duas deusas, deves dedicar maior atenção a uma delas, a deusa do Conhecimento, cujo nome é Sarasvati (deusa da sabedoria e das artes e esposa, de Brahma, o criador do mundo).
Persegue-a, ama-a, dedica-te a ela.

A outra deusa, chamada Lakshmi, é a deusa da Riqueza. Quando deres mais atenção a Sarasvati, então a deusa Lakshmi ficará extremamente enciumada, e vai fazer de tudo para receber o teu afecto. Assim, quanto mais buscares a deusa do Conhecimento, mais a deusa da Riqueza quererá entregar-se a ti. Ela te seguirá para onde fores e jamais te abandonará. E a riqueza que tanto desejas será tua para sempre.
Existe poder no conhecimento, no desejo e no espírito. E esse poder que habita em ti, será a chave para a criação da tua prosperidade!"
É por isso que no mundo existem pessoas que tudo fazem para, através da sabedoria e da arte, ajudarem outros seres a progredir enquanto tantos outros, tudo fazem para roubar o sustento e enriquecer à custa dos que trabalham e são honestos.
Todos têm acesso à atenção e ao carinho destas deusas, mas só o uso correcto da sua oferta, é que nos dirá se nos tornaremos deuses ou demónios. Depende das nossas escolhas, das renúncias e das nossas doações. O segredo está dentro do nosso coração.

NOTAS:
A religião hindu tem no seu centro uma trindade de Deuses:
Brahma (o Criador),
Shiva (o Transformador) e,
Vishnu (o Preservador).
Cada um deles tem como consorte uma companheira chamada Shakti.
Nos primórdios das tradições indianas, essas consortes eram vistas tão somente como emanações dos Deuses masculinos individuais; contudo, a partir do século V d.C., a Deusa começou a ser um importante arquétipo para a consciência indiana. Durante este período, as Shaktis tornaram-se divindades muito importantes e conseguiram o direito à adoração. Com o tempo, adoptaram qualidades e características associadas a um nível mais primário do culto da Deusa, que remonta a muitos milénios nas tradições orientais.
Brahman: O Deus que criou esse universo. (Na cosmologia hindu, também existem outros universos)
*Kali: A forma ameaçadora da Deusa.
*Mantra: Palavras ou sons sagrados. Diz-se que meditar com um mantra, leva a pessoa aos estados superiores da consciência.
*Parvati: Literalmente, "filha da montanha". A bondosa Deusa de tez escura é mulher de Shiva e os filhos são Ganesha (removedor de obstáculos), a divindade com cabeça de elefante, e Skanda (Deus Guerreiro).
*Sarasvati: Deusa da sabedoria e das artes.
*Shakti: Energia espiritual. A suprema força consciente: a Deusa.
*Shiva: Deus da destruição/transformação. Também um nome masculino para a consciência divina, em contraposição a Shakti.
*Vishnu: Deus que controla a manutenção do universo
*Lakshmi é uma divindade do hinduísmo, esposa do deus Vishnu, o sustentador do universo na religião hindu. É a personificação da beleza, da fartura, da generosidade e, principalmente, da riqueza e da fortuna. A deusa é sempre invocada para o amor, abundância, riqueza e poder. É o principal símbolo da potência feminina, sendo reconhecida pela sua eterna juventude e formosura.

8 comentários:

Anónimo disse...

Olá... passei por aqui e como sou de origem indiana, gostei muito deste seu artigo e das fotografias. É sempre bom ver as pessoas interessarem-se e divulgarem outras culturas.
Obrigada.
S. V.

Anónimo disse...

OLHA AQUI ESTA MAIS UM ARTIGO QUE ME ENCANTOU. E MAIS CONHECIMENTOS EM FORMA SINTETIZADA....O QUE PRA OS DIAS QUE CORREM E MUITO BOM. ALEM DISSO FAZ COM QUE SE PESQUISA SOBRE O TEMA PARAQUEM QUER SABER MAIS. BEIJOS..........Mariaa

Anónimo disse...

Olá amiga
Cá estou eu a namorar outra vez o teu blog. Além das tuas viagens, tens ideias giras, esta da cultura indiana está o máximo!Realmente as indianas, são lindas desde os tempos remotos.
Bijs.
Ines

Anónimo disse...

Para quem vive no oriente, se calhar é fácil privar com essas culturas, ditas civilizadas? Nós aqui em Lisboa, também temos muitas... é africanos das nossas ex-colónias, é indianos, brasileiros, russos, alemães, americanos, ucranianos, acho que portugueses mesmo portugueses, fugiram todos!

Anónimo disse...

Olha, acho que tem razao. Nos aqui levamos com cada um. A minha familia e amigos emigraram e eu fiquei aqui a aturar o que nao gosto. Sorte a deles, azar meu.

Anónimo disse...

Estimada Amiga e Ilustre Romancista Irene,
Adorei, como sempre, mais este belo artigo, do qual tenho igualmente alguns conhecimentos, tendo já visitado muitos templos hindus.
Como sabe estou por dentro do budismo tailandês, e ele é uma mistura de hinduísmo e de budismo, a Tailândia é super rica nessa campo, o deus das 4 faces o enorme Erawan, entre muitos templos indianos expalhados pela cidade são prova disso.
A Malásia onde frequentemente me deslocava é também palco de muitos templos hindus riquissimos,.
Em meu parco blog faço referência a muitos deles.
Adoro conhecer outros povos, suas culturas e suas religiões, e a minha estimada amiga, hoje nos deu um banho de cultura bem lindo.
O meu muito obrigado.
António Cambeta

Anónimo disse...

Então? O que se passa amiga? Há dois dias que não escreves nada...
Espero que esteja tudo bem contigo.
Ines

Irene Abreu disse...

Ola amigos/as...
Pois foi, estive doente estes dois dias e sem paciência para olhar para o computador.
Obrigada pelos comentários, são sempre gratificantes estas participações.
beijinhos.