domingo, 15 de janeiro de 2012

PRESIDENTA! porque... sou mulher!


Foi o livro 'Memorial do Convento' que fez Pilar del Río encontrar José Saramago em 1986. Desde então, ficou conhecida dos portugueses por ser capaz de fazer afirmações tão contundentes como as do escritor e partilhar do seu 'exílio'. Nesta entrevista, confessa-se "uma mulher indignada", que não perdoa sexismos gramaticais nem perguntas machistas
... e a entrevista começou com a afirmação da jornalista:
-"Há um ano que é presidente da Fundação José Saramago..."
-"Presidenta!..."
-"Presidenta?" - repetiu admirada, a jornalista.
Mas Pilar, muito segura de si, passou a explicar:
-"Só os ignorantes é que me chamam presidente. A palavra não existia porque não havia a função, agora que existe a função há a palavra que denomina a função. As línguas estão aí para mostrar a realidade e não para a esconder de acordo com a ideologia dominante, como aconteceu até agora. Presidenta, porque sou mulher e sou presidenta.
(extracto do jornal "Diário de Noticias de 8/7/2008)

Como podemos ver, a jornalista Pilar del Rio costuma explicar, com um ar de catedrática no assunto, que dantes não havia mulheres presidentes e por isso é que não existia a palavra presidenta... Daí que ela diga insistentemente que é "Presidenta da Fundação José Saramago" e se refira a Assunção Esteves como "Presidenta da Assembleia da República".
E isto não é tudo, uma portuguesa de renome da nossa praça, Helena Roseta, ainda há bem pouco tempo dizia: «Presidenta!», retorquindo o comentário de um jornalista da SICNotícias, muito segura da sua afirmação... HAJA DEUS!!!

A propósito desta questão recebi o texto que se segue, que é uma belíssima aula de português e foi elaborada para acabar de uma vez por todas, com toda e qualquer dúvida se temos presidente ou presidenta.


A presidenta foi estudanta? Existe a palavra: PRESIDENTA?
Que tal colocarmos um "BASTA" no assunto?

No português existem os particípios activos como derivativos verbais. Por exemplo: o particípio activo do verbo atacar é atacante, de pedir é pedinte, o de cantar é cantante, o de existir é existente, o de mendicar é mendicante... Qual é o particípio activo do verbo ser? O particípio activo do verbo ser é ente. Aquele que é: o ente. Aquele que tem entidade.
Assim, quando queremos designar alguém com capacidade para exercer a ação que expressa um verbo, há que se adicionar à raiz verbal os sufixos ante, ente ou inte.
Portanto, a pessoa que preside é PRESIDENTE, e não "presidenta", independentemente do sexo que tenha. Se diz capela ardente, e não capela "ardenta"; se diz estudante, e não "estudanta"; se diz adolescente, e não "adolescenta"; se diz paciente, e não "pacienta".


Um bom exemplo do erro grosseiro seria:
"A candidata a presidenta se comporta como uma adolescenta pouco pacienta que imagina ter virado eleganta para tentar ser nomeada representanta. Esperamos vê-la algum dia sorridenta numa capela ardenta, pois esta dirigenta política, dentre tantas outras suas atitudes barbarizentas, não tem o direito de violentar o pobre português, só para ficar contenta".

Por favor, há que ter mais amor e respeito pela língua portuguesa!

1 comentário:

Kinha disse...

Também acho a palavra presidenta horrível. Se um dia vier a presidir algo, por favor, me chamem de presidente mesmo, rs