sábado, 14 de novembro de 2009

É outono...


Agora já ouço que o vento murmura entre o arvoredo...
são versos de saudade às folhas que voam no céu das andorinhas.

...outono é a estação da renovação, onde a natureza
despoja-se dos seus galhos, das suas folhas mortas,
para dar lugar aos novos rebentos que trazem uma vida nova,
mais frescor, permitindo assim, que os campos fiquem mais lindos, e os jardins mais floridos.

Assim, deveríamos também seguir o exemplo outonal
e nos despojarmos dos velhos conceitos,
de "fardos" imaginários, que trazemos pela vida fora,
e que tanto nos atrapalha a caminhada, abrindo espaço
para o novo, que renova, que revigora, deixando que novas "folhas", novas "flores", venham enfeitar o nosso SER, e delas construirmos um imenso "jardim", onde todos, possamos descansar de alguns pesadelos que afectam o nosso quotidiano.

2 comentários:

Anónimo disse...

Ah minha amiga, tu ainda tens temperaturas amenas por Macau, por isso falas em "outono", mas olha que aqui em Portugal temos muito frio, podes crer que podemos chamar INVERNO. Sortuda!
Beijinhos
Sissi

MACAU BANGKOK O MAR DO POETA disse...

Estimada Amiga e Ilustre Romancista Irene,
Bela a descrição do Outuno, estação tal como o iverno detesto porque não gosto do frio.
A Sissi desconhece que em Macau também faz frio e por vezes quase insuportável, mas para quem, como eu,que no coração vai mantendo a temperatura amena e voando para climas onde o calor, tanto humano como o climatérico lhe diz mais, fugindo assim aos Outonais e Invernos de Macau, tudo bem.

As horas, para mim, fazem parte dos dias
e acumuladas fazem anos
trazendo-nos recordações e saudades
vivências, amores e desenganos

O tempo jamais a trás voltará,
recordo sim o que vivi
e imensa pena me dá
daquilo que realizar não consegui

Minhas esperanças não são vãs
e na vida prosseguindo
vendo raiar o sol todas as manhãs
e, embora fraco o caminho sou seguindo
Um abraço amigo